object(WP_Term)#6118 (11) { ["term_id"]=> int(32) ["name"]=> string(10) "Cacau Mila" ["slug"]=> string(10) "cacau-mila" ["term_group"]=> int(0) ["term_taxonomy_id"]=> int(32) ["taxonomy"]=> string(4) "blog" ["description"]=> string(327) "Cantora, atriz, apresentadora do Plug In, na Interativa FM. Escreveu um livro, plantou uma árvore e tem quatro gatos e uma cachorra a quem chama de filhos. É irremediavelmente propensa à paixão, eterna crente no amor. Já estudou História e Marketing, mas acabou selando seu destino nas arte e dela se mantém até então." ["parent"]=> int(0) ["count"]=> int(42) ["filter"]=> string(3) "raw" ["term_order"]=> string(1) "0" }

Será que o mundo realmente não para?

. Será que não para mesmo? E o mais importante, será que é preciso que ele pare?




Para ler ao som de:

embro-me de um texto que ouvi na infância que dizia “não importa em quantos pedaços se parta seu coração. O mundo não pára para que você o conserte”. Será que não para mesmo? E o mais importante, será que é preciso que ele pare?
Que somos todos quebradinhos, já tem tempo que sabemos. Mas será que sabemos que podemos parar, que podemos chorar, que podemos deixar o mundo continuar sua ciranda e simplesmente, não continuar?
Às vezes, é preciso parar. Às vezes, é preciso deixar que a respiração dite qual o caminho de volta pra casa.
Já reparou quando passamos muitos meses fora de casa? Sentimos falta do cheirinho, dos temperos no lugar, e até da nossa bagunça organizada.
A vida também é assim. Respirar correndo também cansa. Apressar o passo pra caber no que esperam, no que nos cobramos, também cansa. Optar por “foda-se se o mundo não para, eu preciso parar!”, é se dar o direito de escolher. De decidir por si, ainda que perca os outros.
A rotação do mundo, realmente, não para. Mas, não precisamos segui-la. Somos, cada um, um universo a parte.
Então, se precisar, pare. Chore. Desista de tudo. Comece de novo. Mude de casa, de profissão, de rua, de país. Faça o que for preciso pra fazer da sua vida – seu lar – um lugar legal de se habitar.
Não importa a velocidade do que está fora. O essencial será sempre o passo de dentro. E o resto, meu amigo, é resto. E só.