Economia

Tio Bákinas – de olho na expansão

Rede de sanduicherias goiana se prepara para conquistar o interior do Estado e Brasília




Nascida há sete anos em uma pequena salinha com um telefone, uma geladeira e uma chapa no Parque Amazônia e só fazendo delivery como uma empresa de um homem só, o Tio Bákinas cresceu para se tornar uma das lanchonetes mais conhecidas de Goiânia. Fundada por José Wilson Borges, vulgo Zé, a rede cresceu: em quatro anos de expansão, são 17 lojas na capital e outras 5 em: Aparecida de Goiânia, Trindade, Senador Canedo e Anápolis.

 

Agora, a empresa se prepara para participar da sua primeira feira de franquia, a 25ª Franchising Fair Centro-Oeste, que será realizada entre os dias 5 e 7 de agosto, no Centro de Convenções de Goiânia. A ideia agora é expandir para o interior, procurando franqueados interessados em investir em Brasília, entorno e em cidades do interior de Goiás, como: Itumbiara, Jataí, Catalão e Rio Verde. Há também o interesse em cidades com grande fluxo de turistas, como Caldas Novas e Pirenópolis.

 

“O intuito da feira é procurar investidores de outras cidades, temos um modelo de negócio interessante, com boa lucratividade e rentabilidade e vendemos produtos de fácil aceitação do público. Nossa missão é encantar nossos clientes, oferecendo comida irresistível, acessível e rápida”, conta Carlos Eduardo Borges, um dos sócios do Tio. Para ele, em Goiânia já têm lojas o suficiente: “Não queremos mais abrir loja de rua aqui pra não rolar uma competição entre as próprias lojas Por aqui só temos interesse em shoppings que é um modelo de negócio diferente e agrega muito para a marca”, conta.

 

Ele espera encontrar parceiros dispostos a entrar de cabeça no negócio: “A franquia é um casamento, temos com nosso investidor um filho em comum. A escolha do franqueado não é apenas pelo dinheiro, fazemos uma seleção bem criteriosa: preferimos negociar com alguém que more na cidade e que fale a nossa língua, que esteja disposto a trabalhar bastante para o negócio ir pra frente. O bom relacionamento e a competência do investidor é imprescindível para o sucesso do negócio”.

 

Borges está interessado em cidades com mais de 50 mil habitantes e enumera as vantagens de ser um franqueado Tio Bákinas. A primeira delas é ser uma marca acessível e de rápida inserção mercadológica: “É um modelo de negócio interessante. Uma loja padrão do Tio custa a partir de R$ 235 mil. Estamos em um patamar de investimento em que uma parcela maior de pessoas pode investir”.

 

Outro benefício é que quem abrir um Tio no interior poderá explorar o delivery: ” As entregas representam em média 30% do faturamento, é uma maneira íntima de levar nossos produtos para dentro da casa do cliente, além de salvar o faturamento da loja em dias de chuva. O delivery é confortável e conveniente para o cliente”. Borges defende que uma outra vantagem da franquia é de correr um risco menor: “investir em um negócio que já foi testado, com rede social influente, marketing, fornecedores homologados e toda uma estrutura por trás”.

 

Ele acredita que o diferencial da marca está nos produtos próprios, qualidade da comida e preço: “70% do que a loja compra é de fabricação própria: o hambúrguer, molhos, franguitos, o pão, picles e as embalagens personalizadas. Temos produtos próprios que fazem nossa identidade e são sucesso de vendas. Nós treinamos a equipe do franqueado, acompanhamos a inauguração e estamos presentes dando apoio, suporte de marketing e auditorias”.

 

Ele continua: “Temos um prazo de validade curto, nossa produção é just in time. Somos uma rede que tem como mote principal oferecer fast food consciente: nossos principais produtos não tem conservantes, o hambúrguer é 100% de carne bovina, ou seja, oferecemos aos nossos clientes comida de verdade. Nosso preço é justo, reciclamos mais de 2 toneladas de óleo por mês e incentivamos a reciclagem de latas de alumínio nas lojas”. Esse sistema chamou até mesmo a atenção de um investidor em São Paulo, que planeja levar o Tio para a Terra da Garoa.

 

Borges contou sobre como a marca veio a ficar conhecida quando eles saíram do Parque Amazônia e foram para a Praça T-23 no Setor Bueno: “A mudança nos deixou conhecidos. Começamos a abrir de madrugada, neste local, que é a rua de uma conhecida casa de show de rock e onde ficava uma famosa boate sertaneja. No início, atendíamos o público do sertanejo e do rock’n roll. Muitos produtores culturais, organizadores, artistas, promoters e o pessoal gostava do nosso trabalho. No começo eu era o garçom e o Zé era o chapeiro, depois criamos uma boa equipe. Isso deixou a gente conhecido e temos um vínculo forte com este pessoal até hoje, com frequência estamos presente em festivais e eventos”.

 

Borges atribui parte do sucesso do Tio Bákinas pela forma como se encaixa no mercado: “estamos em um distinto viés entre o fast food convencional, os famosos pit-dogs e as hamburguerias gourmet. O Tio busca oferecer comida de verdade, de alta qualidade, bom atendimento, em ambiente agradável e com preço justo. Nosso interesse é ser sustentável, acessível e rápido. Você vai comer um produto fresco, que foi produzido há no máximo três dias, seria muito mais fácil vender produto congelado, com conservantes e fazer uma entrega por mês, mas aí seriamos igual aos outros”.

 

Tópicos